Como a tecnologia está ajudando o meio ambiente

O planeta está mudando. Está ficando mais quente e, à medida que isso acontece, também estamos mudando. Temos que adaptar nossos estilos de vida e nossos hábitos para reduzir o carbono na atmosfera do planeta e evitar mudanças climáticas descontroladas que podem ameaçar a existência final de um planeta habitável chamado Terra.

Neste artigo, analisamos algumas das maneiras pelas quais a tecnologia está nos ajudando a nos adaptar. Por causa de nossos estilos de vida com altos recursos e estrutura econômica global, é difícil para nós fazer as mudanças necessárias para ajudar o planeta a recuperar a saúde. Felizmente, a tecnologia está se desenvolvendo rapidamente e estamos optando por adotá-la.

Tenha mais informações conferindo licenciamento ambiental agora mesmo.

Energia renovável

Um dos maiores desafios que o planeta enfrenta em nossa vida é a mudança climática . Embora o clima do planeta seja conhecido por flutuar significativamente ao longo do tempo, estudos mostram que desde a revolução industrial nos séculos 18 e 19, as atividades humanas fizeram com que a temperatura do planeta aumentasse.

Este aumento da temperatura ameaça a vida e a subsistência das pessoas que vivem no planeta, bem como a existência do planeta como um lugar habitável. O melhor exemplo é Vênus, um planeta parecido com a Terra que passou por um processo de aumento de temperatura seguido por uma mudança climática descontrolada. Depois de um certo ponto de inflexão, não há como voltar atrás.

É por isso que é tão importante para nós, como a geração mais jovem, lidar com esses problemas e lutar pelo futuro – mesmo que os problemas atuais tenham sido causados ​​principalmente por nossos ancestrais. Se tudo isso soa um pouco pessimista, há boas notícias. A tecnologia está avançando o tempo todo e está aqui para ajudar.

Atualmente, existem avanços significativos em energia renovável que permitem que mais pessoas a usem em suas casas de maneira mais barata. Os avanços em painéis solares e outras fontes renováveis ​​de energia (como geotérmica e hidroeletricidade) agora estão sendo mais utilizados pelas indústrias – uma das principais poluidoras ambientais.

A revolução digital

Cada geração sucessiva tem uma revolução de um tipo ou de outro. Algumas gerações tiveram revoluções políticas; outros tiveram revoluções industriais. Nossa geração está predominantemente preocupada com a revolução digital. Esta é a ascensão da tecnologia e a influência que ela tem sobre nossas vidas, meios de subsistência e cultura.

A maioria de nós não vai se lembrar de uma época em que não tínhamos tecnologia em nossas vidas. Não nos lembramos de uma época em que não tivéssemos um smartphone ou acesso à Internet, embora provavelmente tenhamos ouvido histórias sobre esses tempos de nossos pais. Nas últimas décadas, é justo dizer que houve uma revolução digital.

Isso tem prós e contras, como qualquer mudança dramática e dinâmica em uma cultura. Os opositores do uso crescente da tecnologia argumentarão que ela cria mais separação na sociedade, as pessoas não se comunicam mais de maneira saudável e promove uma cultura de pessoas introvertidas. No entanto, existem alguns contra-argumentos fortes também.

Em relação ao meio ambiente, a revolução digital foi um sucesso retumbante. Mais pessoas usando dispositivos digitais para comunicar e armazenar informações significa que há menos dependência do papel, o que reduz o desmatamento. Como as árvores são uma importante fonte de oxigênio e também absorvem dióxido de carbono, isso reduz ainda mais as mudanças climáticas .

Monitoramento ambiental

As alterações climáticas são, sem dúvida, o maior desafio da nossa geração e também da geração dos nossos filhos. O planeta é um sistema de equilíbrios delicados, e os danos causados ​​a ele até agora com níveis crescentes de gases de efeito estufa ameaçam derrubá-lo. As gerações anteriores estavam dormindo e só agora acordamos.

Embora estejamos agora no problema e nos desafios da mudança climática, é uma situação complexa que requer as mais recentes tecnologias para ajudar. A mudança climática não é apenas um problema de uma pessoa ou um problema de um país. Em vez disso, afeta a todos igualmente, mas ainda precisamos identificar os principais poluidores e responsabilizá-los.

É aí que entra o Monitoramento Ambiental. Usando novas tecnologias como drones e medições geoespaciais da poluição do ar, as autoridades podem monitorar efetivamente as áreas impactadas por indivíduos e corporações. Drones, como o drone DJI Air 2S , podem atuar como câmeras de segurança e cobrir vastas áreas – garantindo que ninguém infrinja a lei.

Essas tecnologias são claramente cruciais para o futuro e a saúde do nosso planeta. Embora a maioria das pessoas agora entenda o que está em jogo e esteja indo na mesma direção, não há dúvida de que alguns elementos desonestos ainda existem e devem ser cuidadosamente monitorados e responsabilizados.

A economia compartilhada

Um dos sinais mais encorajadores de que enfrentaremos a ameaça das mudanças climáticas e encontraremos um novo equilíbrio e uma nova harmonia com o planeta é a maneira como nossa cultura humana está mudando e se adaptando. As gerações mais jovens estão mais conscientes do meio ambiente, da necessidade de proteger os animais e da necessidade de adotar a tecnologia digital.

Adotar a tecnologia digital é uma grande parte da criação de uma economia compartilhada e ajudar o planeta a prosperar. Então, o que é exatamente a economia compartilhada? Refere-se à maneira como os produtos e serviços agora usam meios digitais para conectar, transportar e entregar itens aos clientes. Reduz nossa dependência de combustíveis fósseis e práticas prejudiciais .

Uber é um exemplo de um elemento da economia compartilhada. Torna mais fácil para as pessoas se locomoverem sem carro a um custo razoável e, portanto, reduz a poluição do ar. O Airbnb é outro elemento da economia compartilhada; permite que proprietários e viajantes façam uso de espaços negligenciados.

Existem muitos outros exemplos de economia compartilhada. Agora que você conhece o conceito, você deve ser capaz de identificar quais elementos fazem parte dele. Você também pode começar a refletir sobre por que essas novas práticas são úteis para o planeta. Na maioria dos casos, é porque eles reduzem o transporte de alguma forma ou protegem as florestas tão necessárias da destruição.

Carros elétricos

Os carros elétricos existem há décadas, desde os anos 1960 e 1970, e provavelmente antes disso também. Isso faz você se perguntar por que esses veículos não foram amplamente utilizados até agora. Eles são muito menos prejudiciais ao meio ambiente e menos poluentes. Mas a razão é econômica. Eles não eram desejados e inviáveis ​​até agora.

É fácil perceber porquê. Mesmo nos dias de hoje, quando os veículos elétricos chegaram tão longe, ainda há dúvidas entre o público sobre sua confiabilidade e autonomia. É verdade que levou algum tempo para que esses veículos elétricos alcançassem seus concorrentes movidos a gasolina, mas eles conseguiram e, segundo alguns analistas, ultrapassarão os veículos convencionais em 2022.

Esta é uma ótima notícia para o meio ambiente. Os veículos elétricos são muito menos poluentes do que os convencionais que queimam combustível físsil diretamente. No entanto, os veículos elétricos não são tão limpos quanto você imagina. Para produzir sua eletricidade, ainda precisamos queimar combustível fóssil em alguns lugares. Ainda assim, os veículos elétricos são muito mais limpos, pois não possuem escapamento.

Embora os veículos elétricos ainda queimem algum combustível físsil, a quantidade é muito menor em geral do que no caso dos carros movidos a gás. Os VEs também têm o benefício adicional de usar eletricidade fornecida por energia renovável, para que tenham mais opções de energia limpa. À medida que as baterias e a gama de carros elétricos continuam a se desenvolver, em breve não haverá outra opção razoável.

Casas mais inteligentes

Além de dirigir carros poluidores e trabalhar em escritórios poluidores e em cidades poluidoras, também vivemos em casas poluidoras. Isso mesmo, junto com os carros, nossas casas são um dos maiores poluidores e causadores das mudanças climáticas. Mas quão dispostos estão aqueles ao seu redor a desistir desses confortos, como um radiador quentinho nos meses frios de inverno?

Podemos não ter que abrir mão de todas as coisas que tornam nossa vida confortável e agradável, mas teremos que ficar mais espertos sobre o que usamos e como o usamos. A tecnologia pode fazer isso por nós. Tecnologia doméstica especialmente inteligente que monitora nosso uso e detecta padrões, para que possamos economizar energia.

Quando você pode ver facilmente quanta energia você usou em um dia, uma semana ou um mês com hábitos e práticas específicas, fica mais fácil mudá-los. Você se torna mais consciente de onde a luz é deixada acesa e quais cômodos têm aquecimento quando ninguém os usa. Mas a tecnologia de casa inteligente também pode otimizar sua casa.

No futuro, viveremos em casas totalmente personalizadas. Isso é chamado de Internet das coisas. Nossas casas serão ergonomicamente adaptadas para atender aos nossos estilos de vida, hábitos e necessidades particulares. Não será apenas mais conveniente, mas também muito melhor para o meio ambiente, pois haverá uma redução significativa no desperdício de energia e nas emissões de carbono.

Conclusão

Vivemos em um planeta em mudança durante tempos incertos, mas isso não significa que devemos ser pessimistas. Pelo contrário, há muito espaço para otimismo. Embora a atmosfera do planeta esteja atualmente sufocada com quantidades insustentáveis ​​de carbono, ela pode ser absorvida se empregarmos as práticas corretas. Reduzir as emissões de carbono dos carros e por meio da economia compartilhada é apenas uma das maneiras de trabalharmos juntos para um bem maior.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.