Como escolher um bom psicólogo?

Não é fácil escolher um bom psicólogo para nos aconselhar sobre nossos pontos fracos. Precisamos encontrar alguém realmente preparado, pois confiaremos a ele uma parte importante do nosso coração e queremos resultados reais: o emocional costuma ser a chave da nossa felicidade.

O problema é que existem mais de 500 escolas de psicologia que costumam dizer coisas contraditórias. Além disso, em nosso campo há muita intrusão de paraciências. A mesma coisa que acontece na medicina com a homeopatia por exemplo.

Confira agora – Tratamento com psicólogo online – Aproveite

Aqui estão algumas dicas para escolher um bom psicólogo

-Aplicar apenas a escolas baseadas em evidências; com abundância de estudos independentes publicados em revistas científicas. Existem estudos comparativos da “eficácia” dos principais.

– No momento, a terapia cognitivo-comportamental (TCC) é a mais comprovada e ensinada nas universidades mais científicas do mundo.

-Procure um psicólogo com pelo menos 5 anos de experiência comprovada; que cobriu os tópicos mais difíceis da psicologia: depressão endógena, transtornos obsessivos, ataques de pânico, etc. Porque é tratando tais casos que realmente aprendemos os meandros do funcionamento mental.

-Pergunte a ele, antes de começar, por um contato telefônico: 1) Que faculdade de psicologia você pratica exatamente? 2) Quanto tempo dura a terapia? 3) Qual é a sua previsão de nossa evolução? 4) Em que consistirá a terapia: que tipo de lição de casa você fará; como as sessões vão se desenrolar? Se você não responder a essas perguntas claramente, rejeite esse profissional.

-As respostas a essas perguntas devem: 1) Permitir que pesquisemos a terapia; até leia livros e nos informe em detalhes. 2) Dê-nos uma ideia clara da duração e do custo da terapia. 3) Saiba, a todo o momento, se estamos evoluindo bem.

-Em minha opinião, você tem que dar a um terapeuta um período de teste limitado. Por exemplo, um mês. Se em cinco sessões ainda não vemos uma evolução clara e positiva, o risco de não dar certo é muito grande.

Um bom psicólogo é como um bom cirurgião

Ele sabe com o que está lidando: foi treinado para atender centenas de casos com outros profissionais experientes. Ele passou anos aprendendo isso antes de tentar sozinho.

E ele sabe tanto sobre a formação e evolução de um problema que, nos primeiros dez minutos de conversa com alguém, já tem uma primeira hipótese clara do que ele tem e como resolver. No momento da inspeção, tem praticamente 90% de certeza. Durante a intervenção das duas primeiras sessões, você já tem 100% de certeza.

Claro que em alguns casos (pouquíssimos) as coisas não evoluem como a gente esperava, mas, aí, é o profissional que coloca esse fato na mesa, informa o paciente e propõe uma mudança na terapia. Mas, em qualquer caso, segue-se um protocolo formalizado onde a intervenção e a evolução esperada são muito claras.

Os psicólogos cognitivo-comportamentais (TCC) apresentam porcentagem de resolução positiva em 80% dos casos. E sua melhora fica em torno de 80% em média. Ou seja, 8 em cada 10 clientes conseguem melhorar em pelo menos 80%. E essas porcentagens incluem pacientes que abandonam a terapia mais cedo e que devem receber uma melhoria “0”. Ou seja, o sucesso é muito grande (supera em muito o uso de drogas psicoativas).

A TCC atinge esses resultados com tratamentos entre 10 e 20 sessões, na maioria dos casos. São trabalhos intensos, com muitas atribuições e aprimoramento crescente desde o início.

O treinamento de um psicólogo deve ser o mais completo possível

Recentemente, na Espanha, os psicólogos são obrigados a concluir um mestrado de especialização de dois anos, uma vez concluído o curso. Este mestre tem condições muito rigorosas e exige práticas em centros homologados.

É uma decisão muito acertada por parte das autoridades sanitárias porque, embora possa não parecer, o tratamento dos distúrbios psicológicos exige muito treino.

Para ser realmente bem sucedido, o terapeuta deve ter se dedicado de corpo e alma ao estudo da Psicologia: o assunto é vasto, pois requer uma visão detalhada de todos os problemas possíveis e seu tratamento, conhecimento detalhado de farmacologia e muito treinamento para fazer o que se chama de “diagnóstico diferencial”, para não confundir um problema com o outro: o que pode ter consequências terríveis.

Hoje, quase todos os psicólogos postam todos os seus diplomas e credenciais em seus sites. Não é uma má ideia estudar esse arquivo para ajudá-lo a decidir; embora a estratégia do telefonema para as questões que detalhamos continue a ser fundamental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *