Nióbio: a matéria-prima que ninguém conhece, mas que todos querem comprar

É tão escasso que não tem mercado e só é extraído em três lugares do mundo

As minas e usinas de aço foram tão desvalorizadas pelo colapso das matérias-primas que algumas empresas as doaram em um momento em que buscam apenas minimizar perdas ou reduzir suas dívidas. Mas existe um metal que chama a atenção de todos: o nióbio.

Este metal leva o nome em homenagem a Niobe, filha do rei Tântalo e neta do deus Zeus, que na mitologia grega teria se transformado em pedra após Apolo e Ártemis (cuja mãe, Leto, havia sido ridicularizada por Niobe por ter apenas dois filhos) matará todos os seus filhos e filhas, exceto um. Segundo o mito, suas lágrimas continuam correndo após a transformação em pedra.

O Nióbio é usado para produzir aço mais resistente e mais leve para tubos industriais e componentes de aeronaves. Ele está disponível apenas em três lugares da Terra, e o preço do quilo é sete vezes maior que o do cobre, por exemplo. 

Grande lance por uma pequena fatia do mercado

O molibdênio da China venceu pelo menos 15 outras empresas no mês passado para assumir a divisão de nióbio e fosfato da Anglo American, pagando US $ 1,5 bilhão, 50% a mais do que os analistas esperavam. Uma amostra do quão moderno é um mercado que tem um valor aproximado de cerca de 4.000 milhões de dólares.

No entanto, o nióbio é um elemento muito desconhecido. “Eu não sabia o que era nióbio e já estava na indústria de minerais há 20 anos antes que essa oportunidade surgisse na minha mesa”, explica Craig Burton, presidente da Cradle Resources, que está desenvolvendo um projeto de nióbio na Tanzânia. “Na verdade, tive que abrir a tabela periódica para confirmar que era um elemento.”

O nióbio é difícil de encontrar e difícil de avaliar. Mais de 80% da produção mundial vem de uma empresa, a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM). Na verdade, quase toda a produção vem de apenas três minas no Brasil e no Canadá, permitindo à CBMM definir preços e se adaptar à demanda.

Nesse sentido, o Metal Bulletin, que publica os preços de metais tão raros como o bismuto ou o germânio, garante que o mercado de nióbio é tão ilíquido que não pode dar preços. O metal teve um preço médio de US $ 40 o quilo no ano passado, de acordo com a Cradle Resources, enquanto o equivalente de cobre chegou a 5,49 em Londres. 

Apesar dessa tendência, os preços do nióbio também caíram no ano passado, contaminados pelo colapso global da matéria-prima liderada pelo petróleo e gás, que também reduziu a demanda por tubos, segundo a Anglo American. 

É exatamente essa escassez de locais de extração que torna o nióbio tão atraente, que também é rotulado como um mineral estrategicamente importante tanto nos Estados Unidos quanto na Europa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.