Rota de Exposição da Poluição do Solo a Humanos

A poluição ambiental é um tema amplamente discutido com o ar, a água e o solo sendo poluídos na sociedade em rápido progresso de hoje. O solo, sendo um “sumidouro universal”, corre significativamente o risco dos efeitos da poluição ambiental. A poluição do solo ocorre quando produtos químicos ou substâncias que não estão naturalmente presentes são encontrados no solo ou quando compostos e materiais naturais estão presentes, mas em concentrações anormalmente altas. Como a poluição do solo não pode ser percebida visualmente ou avaliada diretamente, ela representa uma ameaça significativa à fertilidade e à produtividade do solo. Daí a urgência no controle da poluição do solo. Contaminação do solo pode ser um assunto de seu interesse, confira já.

O solo é a camada externa da crosta terrestre composta por materiais orgânicos e inorgânicos. É a base da agricultura que suporta o crescimento de plantas e culturas enraizadas para consumo humano e animal. Devido à poluição do solo, a segurança alimentar é bastante afetada devido à presença de níveis tóxicos de contaminantes, resultando na redução do rendimento das culturas e com culturas consideradas inseguras para consumo humano e animal.

Rota de exposição do solo à ingestão humana

Existem três rotas principais pelas quais o solo pode entrar diretamente no corpo: inalação, ingestão ou contato com a pele.

Inalação

Essa rota afeta principalmente pessoas, como trabalhadores, que trabalham continuamente com o solo ou que residem nas proximidades dessas áreas. Esses tipos de ambientes possuem partículas finas de poeira flutuando, que podem ser inaladas e eventualmente absorvidas pelo organismo.

Comendo

Os adultos consomem o solo por ingestão acidental. Um exemplo disso é quando o alimento ingerido, como vegetais, ainda possui algum solo aderido a ele. No entanto, em algumas partes do mundo, o solo é deliberadamente consumido por razões culturais.

Por outro lado, as crianças, especialmente aquelas com menos de três anos de idade, correm alto risco de exposição à contaminação do solo, pois tendem a comer terra enquanto brincam ao ar livre. Além disso, é mais provável que sua composição biológica absorva mais produtos químicos tóxicos do que a de um adulto.

Contato com a pele

Também conhecida como “absorção dérmica” ou “absorção cutânea”, esta via é mais aplicável a compostos orgânicos voláteis. No entanto, alguns metais pesados ​​causam problemas de contato com a pele.

Contato indireto

Isso ocorre quando os contaminantes do solo são transferidos do solo para as águas superficiais, contaminando a água potável. Além disso, a água contaminada também pode ser absorvida pelas plantas e, por sua vez, contaminando a referida planta, que pode ser consumida por animais ou humanos, permitindo que os contaminantes entrem na cadeia alimentar humana

O consumo indireto desses contaminantes torna-se perigoso quando se acumula no corpo, resultando em níveis anormalmente altos, esgotando o sistema natural de desintoxicação do corpo. Quando isso acontece, o corpo não consegue se livrar dos contaminantes, o que resulta em efeitos adversos nos tecidos e órgãos afetados.

Contaminação do solo

Aplicação direta

Isso acontece por meio do uso de agrotóxicos, herbicidas e fertilizantes, descarte de resíduos domésticos e industriais por meio de soterramento, uso de lodo de esgoto para terras agrícolas, descarga crônica de veículos automotores como vazamentos de óleo e descargas acidentais ou derramamentos de tanques de armazenamento ou transporte de substâncias.

Deposição

Partículas da atmosfera são misturadas ao solo através de deposição seca, deposição úmida ou partição de gás. A deposição seca ocorre quando o material particulado, ou o contaminante, se deposita na atmosfera e nas superfícies das plantas e do solo. A deposição úmida ocorre quando os poluentes ligados às partículas transportadas pelo ar são levados para o solo pela chuva ou neve. A partição de gás acontece quando os contaminantes se difundem do ar e se difundem no solo.

Uso de água contaminada

A irrigação de terras agrícolas, gramados ou jardins com fontes de água contaminadas pode resultar no acúmulo de contaminantes no solo.

Contaminação Interna

A fonte de contaminação também pode ser o próprio solo. A contaminação interna ocorre quando organismos biológicos naturalmente presentes no solo produzem subprodutos químicos tóxicos ou são eles próprios prejudiciais à saúde.

Contaminantes do Solo

Discutidos abaixo são os poluentes mais comuns do solo. As categorias listadas abaixo estão de acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) [1].

Metais Pesados ​​e Metalóides

Metais pesados ​​e metalóides são aqueles que possuem uma massa atômica relativamente alta. Estes incluem chumbo (Pb), cádmio (Cd), mercúrio (Hg), estrôncio (Sn) e zinco (Zn). Existem também não metais considerados em conjunto com metais pesados: arsênio (As), antimônio (Sb) e selênio (Se). Eles estão naturalmente presentes nos solos e são micronutrientes essenciais para plantas, animais e seres humanos.

Pesticidas

Estes incluem, mas não estão limitados a herbicidas, inseticidas, fungicidas, nematicidas, moluscicidas, raticidas e reguladores de crescimento de plantas. Eles são aplicados às culturas para evitar perdas devido a pragas, patógenos e ervas daninhas.

Hidrocarbonetos Aromáticos Policíclicos (PAHs)

Os HPAs são um grupo de poluentes orgânicos semivoláteis que apresentam baixa solubilidade em água e baixas taxas de transferência de massa do sólido, fazendo com que fiquem retidos no solo por períodos de tempo mais longos. Os PAHs mais prevalentes são benzopireno, pireno, naftaleno, antraceno, fluoranteno e fenantreno.

Poluentes Orgânicos Persistentes (POPs)

São substâncias orgânicas, hidrofóbicas e lipofílicas que se bioacumulam ao longo da cadeia alimentar e causam efeitos adversos à saúde humana e ao meio ambiente. Exemplos incluem bifenilos policlorados (PCBs) e pesticidas organoclorados, como o DDT.

Radionuclídeos

Os radionuclídeos mais comuns encontrados no solo são os seguintes: 137Cs, 40K, 90Sr, 232Th, 238U.

Poluentes Emergentes (EPs)

Os EPs são produtos químicos, naturais ou sintéticos, que surgiram recentemente no ambiente e geralmente não são monitorados. Esses produtos químicos podem ser de produtos farmacêuticos, hormônios e toxinas, poluentes biológicos como bactérias e vírus e desreguladores endócrinos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.