Você sabe quando procurar um ortopedista?

O ortopedista é um médico especializado na saúde do aparelho locomotor humano, se responsabilizando por diagnosticar e tratar disfunções e lesões que acometem nervos, músculos, ossos, tendões, ligamentos, articulações e demais estruturas musculoesqueléticas. O profissional pode atender pacientes de todas as idades, desde recém-nascidos até idosos.

As metodologias terapêuticas e procedimentos realizados pelo ortopedista são destinados principalmente ao tratamento de problemas congênitos como malformações e disfunções, tais como problemas de crescimento e deformidades congênitas. O especialista também atende condições adquiridas ao longo da vida, bem como sequelas de traumas e acidentes.

Entenda quando procurar um ortopedista

Muitas pessoas sofrem com dores articulares ou musculares, e acabam se acostumando a elas. Esses incômodos geralmente estão associados a outros desconfortos que dificilmente são considerados pelos pacientes como uma consequência de um problema ortopédico. É o caso, por exemplo, de um problema na coluna que acaba fazendo com que o paciente se sinta excessivamente cansado.

Embora seja muito comum que as pessoas ignorem este tipo de manifestação, é importante que os indivíduos entendam que sentir dor não é considerado normal, pois esta é uma resposta do organismo para uma determinada agressão sofrida. Quando a dor é muito forte ou se manifesta de maneira crônica, portanto, é indicado realizar uma investigação.

Quando a dor sentida pelo paciente está nos ossos, músculos ou articulações, é recomendado procurar um ortopedista. O especialista também deve ser consultado quando o paciente sofreu algum tipo de trauma, como uma queda ou lesão esportiva — que podem levar a fraturas, luxações e contusões.

Principais sintomas de problemas ortopédicos

Algumas principais manifestações que apontam para a necessidade de se consultar com um ortopedista são:

  • Dor frequente nas costas;
  • Cansaço excessivo;
  • Limitação de movimentos;
  • Dores nas articulações, ossos ou músculos;
  • Rigidez matinal;
  • Formigamento;
  • Sensação dolorosa que piora ao realizar algum movimento;
  • Redução da flexibilidade em uma articulação;
  • Deformação de alguma região do corpo;
  • Traumas antigos que voltaram a incomodar;
  • Entorses ou luxações.

Atenção às dores crônicas

Com o envelhecimento do organismo, é esperado que o indivíduo passe a sofrer com algumas condições crônicas associadas ao desgaste do sistema musculoesquelético e a redução da densidade óssea. Como consequência, o paciente pode passar a apresentar quadros crônicos de tendinite, osteoporose ou outras condições que podem comprometer seu bem-estar e qualidade de vida.

Isso não significa, porém, que uma pessoa que sofre com doenças ortopédicas crônicas deve simplesmente aceitar os desconfortos e conviver com eles. Neste tipo de situação, é importante se consultar com um ortopedista para o diagnóstico adequado da condição e acompanhamento das consequências associadas ao problema.

Caso uma condição crônica realmente seja identificada, o paciente pode iniciar um acompanhamento periódico com um ortopedista especialista em dor. Este especialista poderá indicar metodologias terapêuticas como:

  • Uso de medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios;
  • Realização de fisioterapia;
  • Fortalecimento muscular;
  • Procedimentos de bloqueio anestésico ou infiltração;
  • Acupuntura.

Essas metodologias ajudam a controlar os sintomas de dor e prevenir complicações que podem fazer com que o quadro se torne mais grave e demande uma intervenção mais invasiva e traumática.