Fraturas na coluna: como acontecem e como tratá-las

Fraturas na coluna: como acontecem e como tratá-las

As atividades do nosso dia a dia, por vezes, exigem muitos esforços: levantar peso, correr, mudar bruscamente de direção ao caminhar, passar horas sentados ou em pé e até mesmo praticar esportes. Essas atividades, embora necessárias, devem ser sempre realizadas com cuidado para que não soframos fraturas na coluna. Além dessas atividades rotineiras, há outros fatores que podem causar fraturas na coluna.

Quais as causas de fratura na coluna

Antes de tudo, é preciso saber que nossa coluna vertebral é como um suporte. É ela quem dá sustentação ao peso do corpo, protege a medula espinhal, nos dá equilíbrio, além, claro, de fazer parte do nosso sistema locomotor. A coluna é composta por 33 ou 34 vértebras e possui quatro partes:

  • Cervical;
  • Torácico;
  • Lombar;
  • Pélvico

Além das vértebras, nossa coluna possui discos, ligamentos e diversas articulações. Fraturas na coluna podem se originar quando uma força intensa pressiona a coluna, gerando danos aos discos ou rompimento dos ligamentos da coluna.

Entre outras causas de fraturas na coluna, alguns exemplos são:

  • Escoliose;
  • Quedas;
  • Osteoporose;
  • Tumores;
  • Doenças reumáticas;
  • Sobrecarga de peso;
  • Diabetes;
  • Cigarro;
  • Má-postura;
  • Menopausa
  • Sedentarismo;
  • Obesidade.

Portanto, qualquer pessoa, de idosos a crianças, podem sofrer fraturas na coluna, tanto por doenças genéticas ou desenvolvidas quanto por hábitos ou pelo desgaste natural do tempo.

Tipos e sintomas de fraturas na coluna

Há vários tipos de fraturas na coluna, a depender do que causar essa fratura. Alguns exemplos de tipo de fraturas na coluna são: fraturas da junção crânio cervical, fratura do atlas, fratura do odontoide e luxação. Há outros tipos de fraturas na coluna, mas é bom lembrar que somente uma avaliação clínica e exames laboratoriais podem diagnosticar o tipo de fratura na coluna.

Já os sintomas de que há alguma coisa que precise de atenção na sua coluna são principalmente as dores, acompanhadas de espasmos ou mesmo de dificuldades de permanecer em uma única posição (sentado ou em pé, por exemplo) e de locomoção. Retenção urinária e/ou fecal, formigamentos e até mesmo a perda da sensibilidade no local também são sinais de fraturas na coluna.

Diagnóstico e tratamento

Como dissemos, a consulta a um médico, em geral um ortopedista, é fundamental para o diagnóstico. Tanto o exame físico quanto o exame por imagem irão ser necessários para que haja um diagnóstico do tipo de lesão e, talvez, o que causou essa fratura, caso não seja algo evidente, como uma queda, por exemplo.

Somente após o diagnóstico é que poderá ser iniciado um tratamento adequado. Esse tratamento varia desde o uso de medicamentos para controlar a dor e a inflamação, até o uso de coletes e imobilização da coluna para a sua recuperação. Em caso de escoliose, por exemplo, há a cirurgia de escoliose, que visa corrigir essa curvatura anormal da coluna.

Procurar a ajuda de um profissional ortopedista, portanto, é a primeira medida a ser tomada quando nossa coluna der algum sinal de lesão/fratura. Além disso, previna-se de fraturas na coluna tomando cuidado com levantamento de peso, postura e sedentarismo. Não esqueça de alongar bem, principalmente a coluna, antes da prática de atividade física!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.